A arte de se reinventar

Em tempos de mudanças em velocidade cada vez maior, aprender a se reinventar é uma arte indispensável aos que realmente desejam galgar espaços notáveis ou até mesmo manter-se em condições minimamente competitivas nos ambientes de trabalho e de desenvolvimento profissional.

Aquele tempo do emprego vitalício já ficou para trás, coisa que em empresas de médio e especialmente, pequeno porte, a bem da verdade, nunca existiu. Entretanto, é preciso encarar que, embora a máxima do emprego vitalício tenha morrido, a carreira não. E para que ela também não fique par trás, é necessário que se tenha um espectro de visão um pouco mais amplo acerca das supostas garantias do emprego, a fim de que a aprendizagem da reinvenção seja um fato e não um duro enfretamento com uma realidade repentina.

De modo que faz bem saber, que a arte de se reinventar exige:

  • Compreender o dinamismo do novo mundo no que tange aos ferramentais disponíveis para a execução de tarefas, bem como aos processos horizontais de tomadas de decisão;
  • A manutenção de uma rede de contatos viva, pois esta poderá ser determinante na definição de novos caminhos profissionais. E essa tarefa impõe interesses reais de relacionamentos entre os contatos, não apenas uma lista a que se recorra em momentos críticos. Aliás, uma rede de contatos viva, também se reproduz em um processo rico de diversidade de pensamento e argumentação que o ajudará a se diferenciar, se você se colocar como parte efetiva da rede;
  • O desenvolvimento de uma marca pessoal, o que significa dizer, antes de mais nada, que você precisa se conhecer muito bem, em suas mais disfarçadas deficiências, tal como, claro, em suas habilidades e capacitações mais louváveis. É esse escopo de saber que o permitirá criar uma presença consistente nos ambientes a que se propõe conquistar e o balizará para startar novos processos profissionais, a descobrir novos caminhos e a propor novas soluções quando ninguém consegue percebê-las.

Claro que reinventar-se não se esgota em três tópicos. No entanto, são estes, norteadores para que diante do inusitado ou de um inesperado acontecimento na sua carreira profissional, você não se veja estático, imobilizado pela incerteza e descrença, mas tenha condições de encarar que novas possibilidades e novos caminhos se abrem a quem se dispõe a começar de novo, a aprender sempre e a se reinventar.

Fonte: http://www.daexe.com.br/a-arte-de-se-reinventar/

39 obras de Hannah Arendt, Adorno, Benjamin e Habermas disponíveis para download

Hannah Arendt. Nascida em Hannover, na Alemanha, em 14 de outubro de 1906, de origem judaica, foi batizada como Johanna Arendt. Tendo perdido o pai com sete anos incompletos, mostrou-se precoce ao tentar consolar sua mãe, Martha Arendt: “Pense – isso acontece com muitas mulheres”, teria dito a menina, para espanto da viúva. Recebeu da mãe, que tinha simpatia por ideias da social-democracia, uma educação marcadamente liberal. Ainda na adolescência, teve contato com a obra de Kant. Aos dezessete anos, abandonou a escola por questões disciplinares. Transferiu-se para Berlim, onde estudou teologia e a filosofia do dinamarquês Soren Kierkegaard. Em 1924, passou a frequentar a universidade de Marburg. Ali permaneceu um ano, durante o qual assistiu aulas de Filosofia com Martin Heidegger – com quem manteve, em seguida, um relacionamento amoroso complicado – e Nicolai Hartmann; teologia protestante com Rudolf Bultmann; e grego. Arendt formou-se em Filosofia em Heidelberg.

Em 1929, época da recessão mundial provocada pela quebra da Bolsa de Nova York, Arendt mudouse para Berlim, com uma bolsa de estudos. Com a ascensão do nazismo ao poder, em 1933, ela foi para a capital francesa, onde conheceu grandes intelectuais, a exemplo do filósofo e escritor Walter Benjamin. Na ocasião, trabalhou como secretária da baronesa Rotschild, de uma tradicional família de banqueiros.

Na Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando o governo da França cooperou com os invasores alemães, a judia Hannah foi mandada a um campo de concentração, como “estrangeira suspeita”. Todavia, conseguiu fugir para Nova York, onde chegou em 1941.

Exilada e apátrida (perdeu a nacionalidade alemã), permaneceu dez anos sem direitos políticos, obtendo a cidadania estadunidense em 1951. Nos Estados Unidos, Hannah trabalhou em várias organizações judaicas e editoras, como a Schoken Books, tendo escrito também para o periódico Weekly Aufba. Naquele país, ela desenvolveu efetivamente sua carreira acadêmica, contratada em 1963 pela Universidade de Chicago. No ano seguinte, entraria para a American Academy of Arts and Letters. Em Chicago, Arendt foi professora até 1967, quando se transferiu para Nova York, dando aulas na New School of Social Research. Faleceu em 4 de dezembro de 1975.

***

Este renomado intelectual alemão, Theodor Ludwig Wiesengrund-Adorno, nascido em Frankfurt, no dia 11 de setembro de 1903, formou-se em filosofia, sociologia, psicologia, e tornou-se também musicólogo e compositor, graduando-se na Universidade de Frankfurt. Posteriormente fundou, ao lado de Max Horkheimer, Walter Benjamin, Herbert Marcuse e Jürgen Habermas, entre outros, a célebre Escola de Frankfurt.

Seu pai, Oscar Alexander Wiesengrund, era um alemão de procedência judaica, porém convertido à religião protestante, enquanto sua mãe, a italiana Maria Bárbara Calvelli-Adorno, dedicava-se à música erudita e professava o catolicismo. Mais tarde o filho adota o sobrenome materno, passando a ser conhecido como Theodor W. Adorno.

Sua formação musical foi, em parte, realizada com sua meia-irmã pelo lado de mãe, Agathe, primorosa pianista. Além de se sobressair nos estudos desenvolvidos no Kaiser-Wilhelm-Gymnasium, freqüentou um curso particular com o compositor Bernhard Sekles e tornou-se especialista no filósofo Immanuel Kant, graças às aulas oferecidas por seu camarada Siegfried Kracauer, um ‘expert’ na Sociologia do Conhecimento.

O empenho intelectual de Adorno o levou a defender, já em 1924, sua tese sobre a fenomenologia de Edmund Husserl. Antes mesmo de se formar ele se torna amigo de Walter Benjamin e de Max Horkheimer, seus futuros companheiros de militância intelectual e política. Sua trajetória intelectual tem início em 1933, quando lança sua tese sobre Kierkegaard. Outro contato importante no universo filosófico é com o principiante Lukács, em 1925. As primeiras publicações deste filósofo alemão – A Teoria do Romance e História e Consciência de Classe -, mais tarde rejeitadas por ele, para completa desilusão de Adorno, influenciam profundamente sua produção acadêmica, sustentando seus ideais e os rumos de sua mente brilhante. Benjamin também deixa marcas fundamentais no pensamento adorniano, que se identifica plenamente com os conceitos desenvolvidos pelo amigo.

Futuro crítico contundente dos meios de comunicação de massa, ele percebe, nos seus anos de exílio nos Estados Unidos, serem eles peças essenciais da engrenagem que alicerça a indústria cultural. Esta criação do Capitalismo molda a mentalidade dos que a ela aderem inconscientemente, semeando o conformismo e a resignação na população que se encontra inerte diante de um sistema implacável que desfigura a essência do ser.

Adorno foi mais um dos adeptos da Escola de Frankfurt que, durante o processo de nazificação da Alemanha, foi obrigado a se refugiar na América, por ser de ascendência judaica e também por sua vocação para o socialismo. Depois de uma passagem pela Suíça, ele atendeu a um convite de Horkheimer para trabalhar na Universidade de Princeton. Sua impressão sobre os Estados Unidos não foi das melhores. Sofisticado intelectual europeu, incomodou-o profundamente o ar de uniformização presente em tudo, a despeito dos conceitos norte-americanos de individualidade e do cultivo das diferenças.

Este universo regido pelos interesses, pelo lucro e pelas conveniências o levou a uma reflexão mais atenta sobre a massificação da cultura. Inclinado a compreender esse paradoxo americano, ele estuda a fundo a mídia dos EUA, e descobre sob a aparente liberdade apregoada pelo ‘American Way of Life’, uma ideologia padronizada que a tudo perpassa, com a intenção de sujeitar a massa apática, induzindo-a ao consumismo e à submissão ao sistema.

Com o término da Segunda Guerra, Adorno professa a volta do Instituto de Pesquisa Social para Frankfurt, juntamente com seus membros. Após a aposentadoria de Horkheimer, Adorno assume sua diretoria, na década de 50. Pouco antes de sua morte, em 6 de agosto de 1969, ele assumiu uma posição controvertida diante dos rebeldes do movimento estudantil que, em 31 de janeiro deste mesmo ano, pretendiam suspender sua aula para darem seqüência aos protestos que se espalhavam pelas ruas da Europa. Surpreendentemente ele recorreu á polícia para reprimir as manifestações, o que causou um mal-estar entre ele e os estudantes, além de o contrapor ao seu antigo companheiro, Marcuse, que se aliara aos alunos nos movimentos que se alastravam pelo continente europeu. Adorno parte sentindo-se aviltado pelos adeptos de uma esquerda para ele considerada ultra-radical.

***

Walter Benjamin

Walter Benedix Schönflies Benjamin nasceu no seio de uma família judaica, filho de Emil Benjamin e Paula Schönflies Benjamin, comerciantes. Na adolescência, participou do Movimento da Juventude Livre Alemã, de tendência socialista.

Em 1915, conhece o filósofo e historiador Gerschom Gerhard Scholem, de quem se torna grande amigo.

Após estudar filosofia na Universidade Freiburg im Breisgau, doutorou-se pela Universidade Bern, em 1919, com a tese O conceito de crítica de arte no romantismo alemão.

Com a ascensão do nazismo ao poder, Benjamin, já balado por dificuldades materiais, exilou-se em Paris, em 1935.

Com a invasão da França pelos alemães, em 1940, juntou-se a um grupo de refugiados que tentava a fuga pelos Pireneus. Detido na fronteira pela polícia espanhola, que ameaçou entregar o grupo à Gestapo, Benjamin suicidou-se. No dia seguinte, contudo, as autoridades permitiram a passagem do grupo.

Crítico de idéias e fatos

Walter Benjamin é considerado um dos mais importantes pensadores modernos. Em vida, seus escritos não alcançaram repercussão, embora ele já fosse respeitado em alguns círculos, conseguindo o estímulo decisivo de filósofos como Ernst Bloch e T. W. Adorno.

Adorno, aliás, responsável pela edição póstuma das obras de Benjamin, considerou-o antes de tudo como um filósofo que teria tentado subtrair-se ao pensamento classificatório, filosofando contra a filosofia.

O que mais interessa na obra crítica de Benjamin é a abordagem de temas concretos da literatura, da arte, das técnicas, da vida social, etc., sem abandono do rigor conceitual. Benjamin é, por isso, além de filósofo, um crítico de ideias e fatos.

Os escritos de Benjamin ficaram esparsos em periódicos e só três livros foram por ele publicados em vida. Além de sua tese de doutoramento, publicou uma tese reabilitando o barroco alemão (Origem da tragédia alemã) e um volume de ensaios e reflexões (Rua de mão única), ambos em 1928.

Entre seus ensaios destacam-se “As afinidades eletivas de Goethe”, “Sobre alguns temas em Baudelaire”, “Teses sobre filosofia da história”, “Paris, capital do século 19” e “A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica”.

***

Jürgen Habermas. Um dos mais importantes filósofos alemães do século XX, nasceu em Gummersbach, a 18 de Junho de 1929. Fez cursos de filosofia, história e literatura, interessou-se pela psicologia e economia (Universidades de de Gotingen- com Nicolai Harttman-, de Zurique e de Bona). Em 1954 doutorou-se em filosofia na universidade de Bona. Estudou com Adorno e foi assistente no Instituto de Investigação Social de Frankfurt am Main (1956-1959). Em 1961 obtém licença para ensinar (Universidade de Marburg) e, em seguida, é nomeado professor extraordinário de filosofia da Universidade de Heidelberg (1961-1964), onde ensinava  Hans Geor Gadamer. Foi nomeado depois professor titular de filosofia e sociologia da Universidade de Frankfurt am Main (1964-1971). Desde 1971 é co-director do Instituto Max Plank para a Investigação das Condições de Vida do Mundo Técnico-Científico, em Starnberg.

Habermas foi durante os anos 60 um dos principais teóricos e depois crítico do movimento estudantil. É considerado um dos últimos representantes da escola de Frankfurt.

Apesar da enorme complexidade do pensamento de Habermas, é possível descobrir algumas constantes:

  1. Ao longo da sua vastíssima obra, tem procurado de criar uma  teoria crítica social assente numa teoria da sociedade
  2. Assumindo-se como um dos defensores da modernidade, procura igualmente criar uma teoria da razão que inclua teoria e prática, o mesmo é dizer, uma teoria que seja ao mesmo tempo justificativa e explicativa.
  3. A auto-reflexão individual é inseparável da educação social, e ambas são aspectos de emancipação social e humana. As decisões (práticas) são encaradas como atos racionais, onde não é possível separar a teoria da prática
  4. Todo o seu pensamento aponta, assim, para uma auto-reflexão do espécie humana, cuja história natural nos vai dando conta dos níveis de racionalidade que a mesma atinge.
  5. A noção de interesse é nuclear no seu pensamento. Habermas parte do pressuposto que todo o conhecimento é induzido ou dirigido por interesses. Mas ao contrário das Karl Marx não o reduz o conhecimento à esfera da produção, onde seria convertido em ideologia. Nem reduz os conflitos de interesses à luta de classes. A sua noção de interesse é muito ampla. Os interesses surgem de problemas que a humanidade enfrenta e a que tem que dar resposta. Os interesses  são estruturados por processos de aprendizagem e compreensão mútua. É neste contexto que Habermas afirma o princípio da racionalidade dos interesses. Distingue três grandes tipos de interesses, segundo um hierarquia algo peculiar:
    1. técnicos;
    2. comunicativos;
    3. emancipatórios.

Os interesses técnicos surgem do desejo de domínio e controlo da natureza. Tratam-se de interesses técnicos na medida em que a tecnologia se apoia ou está ligada à ciência. Todo o conhecimento científico enquadra-se nesta esfera de interesses.

Os interesses comunicativos levam os membros duma sociedade a entenderem-se (e às vezes a não entenderem-se) com outros membros da mesma da mesma comunidade, o que origina entendimentos e desentendimentos entre as várias comunidades. Nesta esfera de interesses estão as chamadas ciências do espírito (ciências humanísticas, culturais, etc).

Os interesses emancipatórios ou libertadores estão ligados à auto-reflexão que permite estabelecer modos de comunicação entre os homens tornando razoáveis as suas interpretações. Estes interesses estão ligados à reflexão, às ciências críticas (teorias sociais), e pelo menos em parte, ao pensamento filosófico. Esta auto-reflexão pode converter-se numa ciência, como ocorre com a psicanálise e a crítica das ideologias, mas uma ciência que é capaz transformar as outras ciências. O interesse  emancipatório resulta de ser um interesse justificador, explicativo enquanto justificador.

Para fazer o download das obras clique no link abaixo: 

Adorno, Benjamin, Habermas e Hannah Arendt
 
Fontes:http://afilosofia.no.sapo.pt/habermas1.htm 
http://educacao.uol.com.br/biografias/walter-benjamin.jhtm 
Arquivo Kronos  
http://filosofia.uol.com.br/ 
http://www.infoescola.com/biografias/theodor-adorno/

Revista Biografia

Nota: A Revista Biografia e esse blog não possui os arquivos hospedados em seu banco de dados. Apenas divulgamos os links presentes em outras páginas na internet. Se, porventura, a publicação ferir direitos autorais, nos comunique que ela será, imediatamente, retirada do site.

165 obras para downloads de pensadores como: Jacques Lacan, Carl Jung, Calligaris, Skinner, Marcuse, Carrara, Silveira e tantos outros

Imagina 165 obras para downloads de pensadores como Jacques Lacan, Carl Jung, Calligaris, Skinner, Marcuse, Carrara, Silveira e tantos outros para download? Bem o pessoal da Revista Biografia (que mais uma vez arrasou) disponibilizou na pagina deles de forma organizada. 00

O pessoal do Arquivo Kronos disponibilizou para download, via Google Drive e Torrent, uma lista inédita com 165 obras de pensadores consagrados. Clique nos links abaixo e terão acesso aos arquivos:

Google Drive

Torrent

Se for baixar via Torrent,  clicque em “magnet link”. Se não marcar, poderá baixar arquivos maliciosos em seu computador.

Relação dos livros  disponíveis:

AZEVEDO, Ana V. Mito e Psicanálise

BADINTER, E. Um amor Conquistado – o mito do amor materno
BETTELHEIN, Bruno. A Psicanálise dos Contos de Fadas
BIRMAN, Joel. Cartografias do feminino
BIRMAN, Joel. Estilo e Modernidade em Psicanálise
BIRMAN, Joel. Freud & a Filosofia (Passo-a-Passo)
BOCK, A. Psicologias
BOWMAN, M. The Concept of Science As a Defense Against Psychoanalysis
BRENNAN, Teresa (org). Para Além do Falo – Uma Crítica a Lacan

CALLIGARIS; CONTARDO. Introdução a uma clínica diferencial das psicoses
CARRARA, Kester. Behaviorismo Radical – Crítica e Metacrítica
CASTORIADIS, C. Imaginário político grego e moderno.
COSTA, Ana. Sonhos
COSTA, Teresinha. Psicanálise com crianças
CRUXÊN, Orlando. A Sublimação (Passo-a-Passo)

DAMÁSIO, António. O mistério da consciência
DE BOLLE, Leen. Deleuze and Psychoanalysis

ELIA, L. O conceito de sujeito
ELLIS, Havelock. Psicologia do Sexo

FREUD, Sigmund. História de uma neurose infantil
FREUD, Sigmund. Introdução ao Narcisismo, ensaios de Metapsicologia
FREUD, Sigmund. O Futuro de uma Ilusão
FREUD, Sigmund. O Eu, o ID, Autobiografia – obras completas, vol. 16
FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização
FREUD, Sigmund. O Mal-Estar na civilização, novas conferências introdutórias
FREUD, Sigmund. O Mal-Estar na Cultura
FREUD, Sigmund. Observações psicanalíticas sobre um caso de paranoia
FREUD, Sigmund. Psicologia das Massas e Análise do Eu e outros textos
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 01 (1886-1889)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 02 (1893-1895)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 03 (1893-1899)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 04 (1900)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 05 (1900-1901)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 06 (1901)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 07 (1901-1905)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 08 (1905)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 09 (1906 – 1908)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 10 (1909)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 11 (1910)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 12 (1911-1913)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 13 (1913-1914)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 14 (1914-1916)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 15 (1915-1916)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 16 (1915-1916)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 17 (1917-1918)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 18 (1920-1922)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 19 (1923-1925)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 20 (1925-1926)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 21 (1927-1931)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 22 (1932-1936)
FREUD, Sigmund. Obras Completas (Imago) – Vol. 23 (1937-1939)

FRIEDAN, Betty. Mística Feminina
FROMM, Erich. A Arte de Amar. I (Escaneado)
FROMM, Erich. O Dogma de Cristo e Outros Ensaios sobre Religião, Psicologia e Cultura

GARCIA-ROZA, L. Freud e o inconsciente
GUATTARI, F. As Três Ecologias
GUATTARI, F. Caosmose – Um Novo Paradigma Estético
GUATTARI, F. Micropolítica – Cartografias do Desejo
GUATTARI; ROLNIK. Micropolítica cartografias do desejo

JORGE, M. Fundamentos de Psicanálise, Vol. 1
JORGE, M. Fundamentos de Psicanálise, Vol. 2
JORGE, M; FERREIRA, N. Lacan, o Grande Freudiano (Passo-a-Passo)

JUNG, C. A Energia Psíquica
JUNG, C. A Natureza da psique
JUNG, C. O desenvolvimento da personalidade
JUNG, C. O Homem e seus Símbolos
JUNG, C. Os Arquétipos e o Inconsciente Coletivo
JUNG, C. Psicologia do Inconsciente
JUNG; REICH. O Segredo da Flor de Ouro

KEHL, Maria Rita. Sobre Ética e Psicanálise
KÜBLER-ROSS, Elisabeth. Sobre a Morte e o Morrer

LACAN, J. A angustia – O seminário – Livro 10
LACAN, J. A identificação – O seminário – Livro 9
LACAN, J. A relação de objeto – O seminário – Livro 4
LACAN, J. A transferência – O seminário – Livro 8
LACAN, J. Estou falando com as paredes
LACAN, J. Nomes do pai
LACAN, J. O desejo e sua interpretação – O seminário – Livro 6
LACAN, J. O saber do psicanalista – O seminário – Livro 19
LACAN, J. Problemas cruciais para a psicanálise – O seminário – Livro 12

OBS: o Google Drive não suportou o peso dos arquivos de Lacan, por isso eles estarão disponíveis pelo Torrent ou pelo seguinte link externo:

Download LACAN

LASCH, C. A Cultura do Narcisismo
LE BON, Gustave. As Opiniões e as Crenças
LE BON, Gustave. Psicologia das Multidões
LE BON, Gustave. The Psychology of Revolution
LE BON, Gustave. The Psychology of Socialism

MARCUSE, Herbert. Collected Papers, Vol. 1 – Technology, War and Fascism
MARCUSE, Herbert. Eros e civilização
MASLOW, Abraham. Introdução à Psicologia do Ser
MAURANO, D. Pra que serve a psicanálise?
MEAD, George Hubert. Mind, Self and Society
METZ, C. O significante imaginario – psicanalise e cinema

NASIO, Juan-David (org). Introdução às Obras de Freud, Ferenczi…
NASIO, Juan-David. Introdução à Topologia de Lacan
NASIO, Juan-David. O Livro da Dor e do Amor
NASIO, Juan-David. O Prazer de Ler Freud

OGILVIE, Bertrand. Lacan – La Formation du Concept de Sujet

PARKER, Ian. Revolution in Psychology – Alienation to Emancipation
PERES, Urania T. Depressão e melancolia

QUINET, Antônio. A estranheza da psicanálise
QUINET, Antônio. As 4+1 condições da análise

REICH, Wihelm. A Função do Orgasmo
REICH, Wilhelm. A revolução sexual
RIVERA, Tânia. Arte e Psicanálise

SACKS, Oliver. O Olhar da Mente
SCHREBER, D. Memórias de um doente dos nervos
SILVEIRA, Nise. Jung – vida e Obra
SKINNER, B. F. Ciência e comportamento humano
SKINNER, B. F. O comportamento verbal
SKINNER, B. F. Sobre o behaviorismo
SKINNER, B. F. Walden II – uma sociedade do futuro
SOLER, C. O inconsciente a ceu aberto da psicose

TAVARES, Leandro. A Depressão Como Mal-Estar Contemporâneo
TEIXEIRA, M. de Lourdes. Psicologias uma Introdução ao Estudo de Psicologia

VALAS, P. Freud e a perversão
VALAS, Patrick. As Dimensões do Gozo

Nota: A Revista Biografia e nem esse blog não possui os arquivos hospedados em seu banco de dados. Apenas divulgamos os links presentes em outras páginas da internet. Se, porventura, a publicação ferir direitos autorais, nos comunique que ela será, imediatamente, retirada do site.

HISTÓRIA e outras CIÊNCIAS HUMANAS – 120 obras inéditas para download

O presente do Caldeirão de Ideias para vocês é, na minha opinião, o melhor presente de Natal que alguém pode ganhar: LIVROS. Esta lista abaixo foi produzida especialmente com a coleta de livros postados no grupo do Arquivo Kronos lá no Facebook. Agradecemos imensamente aos amigos do grupo Kronos por esse presente de Natal e TODOS os nossos visitantes pela presença aqui no nosso espaço. Deem uma vasculhada bastante boa nos livros, pois tem muita coisa nova na quebrada, pessoal!

Baixar via Google Drive (direto):
https://drive.google.com/folderview?id=0B4UG_F2QeFUlcE5uZVJralM3Vm8&usp=sharing

Baixar torrent (via Pirate Bay):
http://thepiratebay.se/torrent/10625815 (clique em Get This Torrent)

Baixar torrent (via Google Drive):
https://drive.google.com/folderview…

Lista do Material disponível:

ANGOLD, M. Bizâncio
ARRUDA, J. Jobson. História Moderna e Contemporanea
ARTIGO 19. Protestos no Brasil, 2013
BAÇAN, L. P. A sociedade secreta dos templários
BANDEIRA, M. De Martí a Fidel – a revolução cubana e a América Latina
BAUMAN, Z. A Liberdade
BEAUD, M. A historia do capitalismo – de 1500 aos nossos dias
BEZERRA, Benilton. O normal e o patológico
BLOCH, M. Los reyes taumaturgos
BLOOM, Harold. A invenção do humano
BOHM-BAWERK, Eugen von. A teoria da exploração do socialismo-comunismo
BOURDIEU; PASSERON. A reprodução – elementos para uma teoria do sistema de ensino
BRESCIANI, M. Londres e Paris Século XIX
CARDOSO, Ciro Flamarion S. Tempo e história
CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas – O imaginário da república no Brasil
CASTEL, Robert. Las metamorfosis de la cuestión social
CASTELLS, Manuel. A galáxia da internet
CASTRO, Eduardo Viveiros de. Arawete – os deuses canibais
CAZELLES, H. História política de Israel
CHARTIER, R. A ordem dos livros
COELHO, Teixeira. Dicionário Crítico de Política Cultural
DARNTON, Robert. A questão dos livros
DAVIS, Natalie Z. The Return of Martin Guerre
DELUMEAU, J. Pesquisa histórica sobre o medo
DONADONI, Sérgio. O homem egípcio
DOUGAN, A. Futebol e guerra – resistência, triunfo e tragédia do Dínamo na Kiev ocupada pelos nazistas
DUBAR, Claude. A crise das identidades – a interpretação de uma mutação
DUBY, Georges (Org.). História da Vida Privada 2. Da Europa Feudal a Renascença.
ELIAS, Norbert. Mozart – Sociologia de Um Gênio
FARGE, Arlette. La atraccion del archive
FERREIRA, M. (coord). Entre-vistas- Abordagens e Usos da História Oral
FICO, Carlos. João Goulart e a Operação Brother Sam. In. O grande irmão
FINKELSTEIN, N. A indústria do holocausto
FONSECA, Ana Maria. Economia criativa
FONTANA, J. Marxismos. In A história dos Homens
FREITAS, M. (org). Historiografia Brasileira em Perspectiva
GLEISER, M. A Dança do Universo – dos mitos de criação ao big-bang
GOMES, Angela de Castro et al. História Geral da Civilização Brasileira – Tomo III – O Brasil Republicano 10
GONZAGA, João Bernardino. A inquisição em seu mundo
HARTOG, F. O espelho de Heródoto
HARVEY. Et all. Occupy – movimentos de protestos que tomaram as ruas
HASSEL, S. Gestapo
HASTINGS, M. Catástrofe 1914 – a Europa vai a guerra
HAYEK, F. A. Desestatização do dinheiro
HILL, Christopher. A Revolução Inglesa de 1640
HOLANDA, Sérgio Buarque de. O homem cordial
HUMPHREY, R. O fluxo da consciência
HUTCHEON, L. Theory of adaptation
JAMESON, F. La cárcer del lenguaje. Perspectiva crítica del estructuralismo y del formalismo russo
JAMESON, F. Postmodernism or, The cultural logic of late capitalism
JENKINS, Henry. Convergence culture
JENKINS; MUNSLOW; MORGAN. Manifestos for History
JOHNSON, Paul. Tiempos modernos – la historia del siglo XX.
KUSHNIR, B. Cães de guarda [doutorado]
LE ROUX, P. Império Romano
LEWIS, B. O Oriente Médio – do advento do cristianismo aos dias de hoje
LOYN, Henry R. Dicionário da Idade média
LUNA FILHO, E. P. Internet e tributação no Brasil
MAIOLI, I. A Historia da Segunda Guerra Mundial
MALHEIRO, A. A Escravidão no Brasil – Vol. I
MALHEIRO, A. A Escravidão no Brasil – Vol. II
MALINOWSKI, B. Magia, ciencia y religion
MANHATTAN, A. O holocausto do Vaticano
MARSHALL, T. Cidadania e classe social [in Cidadania, classes sociais e status]
MASCARELLO, F. (org). Historia do cinema mundial
MATEUS, J. G. Escritos sobre a imprensa operária da Primeira República
MAUSS, Marcel & HUBERT, Henri – Sobre o sacrifício
MAYER, Marcos. Anarquismo para principiantes [espanhol]
MENDONÇA, Paulo Knauss. O Rio Janeiro da Pacificação – franceses e portugueses na disputa colonial
MIGNOLO, W. La idea de América Latina – la herida colonial y la opción decolonial
MONTEFIORE, S. Jerusalém, a biografia
MUNSLOW, A.; ROSENSTONE, A. Experiments in rethinking history
MURARI, F. Antigos e Modernos, Diálogos sobre a Escrita da História
NAPOLITANO, M. História e música
NETTO, José Paulo. Lukács e a crítica da filosofia burguesa
NOVAIS; ALENCASTRO (orgs). História da vida privada no Brasil, 1 – Império
NOVAIS; SCHWARCZ (orgs). História da vida privada no Brasil, 4 – contrastes da intimidade contemporânea
NOVAIS; SEVCENKO (orgs). História da Vida Privada no Brasil 3 República – da Belle Époque à Era do Rádio.
NOVAIS; SOUZA (orgs). História da vida privada no Brasil, 1 – cotidiano e vida privada na América Portuguesa
OLIVEIRA, P. S. Introdução a sociologia
ORWELL, George. Como morrem os pobres e outros ensaios
PARENTI, M. A cruzada anticomunista
PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar – convite à viagem
PETERS, Edward. História da tortura
PINHO, Osmundo; SANSONE, Livio. Raça – Novas Perspectivas Antropológicas.
POST, C. The american road to capitalism
PRADO JÚNIOR, Caio. História Econômica do Brasil.
PRADO, Maria Ligia. O populismo na América Latina
PRZEWORSKI, A. Capitalism and social democracy
REIS, Daniel Aarão. Ditadura Militar, Esquerdas e Sociedade
REIS, João José & SILVA, Eduardo. Negociacao e conflito – a resistencia negra no Brasil escravista
REMOND, René. História dos Estados Unidos
REZENDE, M. J. de. A Ditadura Militar no Brasil – repressão e pretensão de legitimidade. 1964-1984
RICARDO, David. Princípios de Economia Política e Tributação
RODRIGUES, Edgar. História do Movimento Anarquista no Brasil
RORIZ, Aydano. A guerra dos hereges
SAFATLE, V. (org.). O que resta da ditadura [completo]
SAHLINS, M. Cultura e razão prática dois paradigmas da teoria antropológica
SAND, Shlomo. A invenção do povo judeu
SCHAFF, A. A sociedade informática
SCHAFF, A. Historia y verdad
SECCO, Lincoln. 25 de Abril de 1974 – A Revolução dos Cravos
SHARP, G. Da Ditadura à Democracia
SHERMER, Michael. Cérebro e crença
SILVA, Ana Paula Barcelos. Diálogos sobre a Escrita da História – Brasil e Argentina (1910-1940)
SILVA, Antonio Ozaí da. História das tendências no Brasil
SONDHAUS, L. A Primeira Guerra Mundial
TADEU, Tomaz. Nunca fomos humanos – Nos rastros do sujeito
THOMPSON, Paul. A voz do passado – história oral
TOLEDO, Caio Navarro. O Governo Goulart e o Golpe de 64
TRAGTEMBERG, M. Reflexões sobre o Socialismo
TRONCA, Ítalo. A Revolução de 30 – a dominação oculta
VASCONCELLOS, M. Economia – micro e macro
VENTURA, Z. 1968 – O Ano que não terminou
VERNANT, J-P. Entre mito e política
VIRILIO, Paul. Strategy of deception
VOEGELIN, Eric. A idade média – Dos Nibelungos a Jerônimo Bosh
WAISELFISZ, J. Mapa da violência 2013
YAZBEK, M.C. Os fundamentos históricos e teórico-metodológicos do Serviço Social brasileiro na contemporaneidade
ZINN, Howard. La otra historia de los Estados Unidos

OBS: Os arquivos “História Geral da Civilização Brasileira, vol. 10”, “O espelho de Heródoto”, “História da vida privada, 4 volumes” e “Entre mito e política” possuem mais de 150 Mb e estão disponíveis apenas via torrent.

13 Sites Grátis Para Criar Gráficos Online

Não são raras situações em que precisamos criar um gráfico ou um diagrama para melhorar uma apresentação no trabalho ou organizar coisas pessoais. Mas se você não tem muita intimidade com Excel, existem muitas alternativas gratuitas, para fazer bons gráficos de uma forma simples e rápida.

Muita gente ainda não utiliza grande parte do potencial da internet. Ela nos permite poupar tempo e dinheiro para realizar diversas tarefas, e é esse o intuito deste post. Conheça algumas opções grátis para criar gráficos, fluxogramas e diagramas pela internet de forma fácil, simples e rápida.

1 – Barchart
Este site permite a criação de gráficos simples de forma fácil e rápida. É só alterar os campos já existentes, definindo altura, largura e claro, os dados do gráficos.

2 – Cacoo
Aqui você poderá criar diagramas com formas bastante diversas. A única chatice é ter de fazer um cadastro, que pelo menos é gratuito. Falamos dele aqui também nessa postagem.

3 – Bubbl
Esta ferramenta online permite a criação de organogramas com uma facilidade incrível! Para salvar os trabalhos é preciso se cadastrar. Caso não queira é só capturar a tela depois de terminar o trabalho.

4 – CreateAGraph
Nesta ferramenta online você conseguirá criar gráficos em formato de barra, linhas ou pizza.

5 – Grapher
Este site permite a criação de um gráfico simples de barras. Infelizmente não dá para personalizar muita coisa, mas ajuda.

6 – Chartpart
Bom para gráficos rápidos e simples. Faz um link que pode ser acrescentando ao seu web site ou blog.

7 – Geek247
Permite criar gráficos em tempo real. Você ainda pode baixar o script PHP para rodar no seu próprio site.

8 – NCES Kids Zone
O NCES (National Center for Education Statistics) é um gerador de gráficos robusto e foi considerado um dos melhores.

9 – Yellowpipe
Diga ao sistema quantos itens tem, coloque os nomes, escolha cada seção e clique “submit”.

10 – Google Chart Tool
Crie gráficos de maneira rápida e fácil com a ferramenta de gráfico do Google

11 – Chart Tool
Escolha a partir de diferentes gráfico tipos, como: linha de barras e gráficos de pizza,gráficos , gráficos de dispersão entre outros.

12 – ChartGO
Criar gráficos online rápido e gratuito.Criar gráficos de pizza, gráficos de barras, gráficos de linhas.

13 – PieColor
Uma ferramenta simples que cria gráfico de cores. Digite o número de fatias que você deseja para o seu gráfico de pizza.

E você, conhece mais alguma ferramenta? Comente!

Até logo!

Fonte: https://canaldoensino.com.br/blog/13-sites-gratis-para-criar-graficos-online

10 Sites e Aplicativos Para Criar Infográficos do Outro Mundo!

Existe um tipo de imagem que se tem tornado muito viral na internet ultimamente, principalmente devido ao Facebook. Estamos falando dos Infográficos, que não são nada mais do que imagens com muita informação organizada e condensada, facilitando assim sua partilha pelas mídias socias. Estes tipos de imagens podem ser úteis para qualquer empresa que tenha uma Fan Page no Facebook e que pretenda divulgar o seu negócio, para empresas que tenham um blog que queiram condensar informação numa imagem ou mesmo para um freelancer que pretenda fazer um resumo das suas características de uma forma diferente, fugindo um pouco do habitual portfólio. Os infográficos podem ser criados independentemente da sua área de negócio, o que torna uma ferramenta bastante útil para todos os profissionais.

Apesar dos sites de inforgráficos que vou falar em seguida terem grande deles uma conta grátis, a verdade é que muitos requerem mesmo uma conta paga para que consiga tirar o melhor proveito possível das ferramentas que oferecem. Mas criar este gênero de imagens não é algo que se faça de um momento para o outro: é necessário recolher dados estatísticos, escolher o template certo para a criação da imagem, saber manter os infográficos simples e úteis ao mesmo tempo, entre outros fatores. O último conselho que posso transmitir na criação de um infográfico é o de você deixar o link ou o nome da sua empresa na imagem no final da imagem, de forma a que depois possa tirar alguma vantagem da construção desse infográfico. Agora que você já sabe alguns dos princípios básicos sobre a criação de um infográfico, está na hora de conferir a nossa lista!

1. Piktochart
Piktochart para criar infográficosTalvez o mais completo mas também o mais dispendioso da nossa lista de sites para criação de infográficos. No Piktochart você tem acesso a uma quantidade enorme de templates pré-definidos (quanto mais pagar maior será o número de opções) e ainda tem a possibilidade de inserir o logo da sua empresa. De fato, o processo de construção é muito simples: você tem o template, altera os dados que já estão preenchidos com os que vai utilizar e está pronta a sua imagem. Além disso, o Piktochart evita o problema de você poder encontrar um concorrente seu usando o mesmo template. Isto porque este site oferece até mais de 100 templates diferentes. Você pode trabalhar com ele de forma gratuita, mas isso acaba limitando muito o seu trabalho. Além disso, a opção paga acaba por permitir que você retire o logótipo do Piktochart. Por último mas não menos importante, o site costuma estar constantemente procurando por novos designers. Fique atento se você for um profissional desta área!
Preço: de grátis a $29 mensais

2. Visual.ly
Visual.ly para criar infográficosSe você estava procurando por uma ferramenta gratuita, esta é uma das melhores opções. O Visual.ly é completamente gratuito e funciona de uma forma muito simples: existem várias categorias que contam com templates pré-definidos. Como é óbvio, você necessita de escolher a que melhor se adequa à mensagem que pretende transmitir. O fato de ser gratuito acaba limitando num ponto: o número de ofertas não é assim tão variável e em certas áreas de negócio é normal que você não encontre um infográfico interessante para você. Além disso, é bem provável que o seu concorrente possa também estar utilizando o Visual.ly. As informações são criadas a partir das suas interações sociais (Facebook, Twitter ou LinkedIn), o que pode gerar imagens interessantes especialmente para branding pessoal.
Preço: grátis

3. Fluxvfx
Fluxvfx para criar infográficosVocê conhece aqueles videos fantásticos com uma sequência fora do comum e com imagens super trabalhadas? Com o Fluxvfx você já pode criar esses mesmos vídeos de uma forma muito simples. O único requisito necessário são os conhecimentos mínimos de After Effects, mas qualquer dúvida o próprio site também dá uma ajuda. O processo é novamente muito simples. Você paga por uma sequência de vídeo (o preço normal ronda os $40) e depois todas as imagens e texto são editáveis. Basta que você escolha o seu vídeo, compre e depois edite no seu próprio computador. Apesar de poder ser um pouco mais caro de todas as opções apresentadas neste texto, o Fluxvfx apresenta uma opção bastante diferentes das demais e por isso mesmo este tipo de infográfico deve ser considerado como muito útil. Ele conta ainda templates grátis para teste.
Preço: desde grátis até $35

4. Many Eyes
Many Eyes infográficoJá conhecia este site há algum tempo e nunca é demais falar sobre ele. A página desenvolvida pela IBM, apesar de ter um visual um pouco retrogada, é dos sites que está há mais anos no mercado e permite criar imagens muito interessantes. Basta que você insira os seus dados e ele próprio gera imagens com os seus dados estatísticos. Inicialmente, você é que escolhe o tipo de demonstração de dados que vão aparecer (através de bolas, gráficos, etc). Tudo vai depender da sua imaginação e claro, quanto mais precisos forem os seus resultados mais qualidade terá a sua imagem. Nos primeiros minutos é normal que você tenha alguma dificuldade em lidar com a plataforma (até porque o site não muda o seu layout há vários anos) mas acredito que pouco depois já ficará mais confortável. Se tiver alguma dúvida, basta deixar um comentário no final do artigo.
Preço: grátis

5. Visualize.me
Visualize.me infográficoQuer trabalhar o seu branding pessoal através de infográficos? Este site é outra excelente opção. Ele baseia-se na sua conexão com o LinkedIn para criar um infográfico pessoal onde dá a conhecer o seu resumo, os locais onde trabalhou e quanto tempo esteve neles, os skills em que é destacado, os seus interesses e como é óbvio todas as recomendações que tem no seu perfil. E isso acontece tudo numa questão de segundas: você conecta com a conta do seu perfil no LinkedIn, dá o seu email e username e o site apresenta o seu próprio infográfico. Esta poderá ser uma excelente opção para os clientes que tenha o seu LinkedIn trabalhado de uma forma correta e pretendam fazer um pequeno resumo do seu percurso aos clientes. Que tal experimentar o Visualize.me para apresentar um portfólio diferente? De realçar que o site ainda se encontra em versão beta.
Preço: grátis

6. Infogr.am
infogr.am infográficoMais uma plataforma simples, grátis e eficaz. O Infogr.am apenas pede o seu login (pode ser feito através das redes sociais) e logo depois você dá de caras com um painel muito simples onde você só preciso de escolher o template que quer começar a desenhar. A partir daí pode trabalhar apenas com as imagens criadas nesse template ou acrescentar mais alguns pontos ao seu infográfico. Dois cliques são suficientes para “abrir” os dados e poder alterá-los. Outro ponto interessante é que você pode controlar a sua largura, um ponto a ter em conta principalmente no Facebook devido ao tamanho da imagem poder tornar o seu infrográfico pouco legível. Porém, devido ao fato de ser um site grátis, você terá sempre de ter a imagem do site no final do seu infográfico. De qualquer das formas, aconselho este site a todos aqueles que querem criar um infográfico mas que não querem perder muito tempo com o mesmo.
Preço: grátis

7. Visify
Visify infograficosIdeal para quem utiliza muito o Twitter e quer saber dados interessantes sobre a sua conta. No Visify você faz o login através do seu Twitter e ele gera automaticamente um infográfico com as principais palavras que você disse durante o ano anterior. Ao clicar nos dias, tem acesso os tweets que foram feitas e aos retweets que recebeu, etc. É interessante para você ficar a saber um pouco mais os seus dados no Twitter. O Visify conta ainda com outra opção que apenas surge depois de você realizar o login: a possibilidade de criar um infográfico com base no Facebook, Instagram, LinkedIn e FourSquare. É outra opção muito interessante e que resume muito bem aquilo que foram os nossos últimos meses. Se quiser saber como foi o nosso, clique neste link.
Preço: grátis

8. Photo Stats
Photo StatsVocê é daquelas pessoas que passa o tempo todo tirando fotos no seu iPhone? Então junte o útil ao agradável. Este aplicativo para iPhone analisa todos os locais onde você tirou fotografias, as horas em que você tirou ou até mesmo os dias em que você é mais produtivo a fotografar. Como é óbvio, este tipo de infográfico têm apenas um objetivo mais lúdico e não serve de todo para o seu negócio. Contudo, este é um dos únicos aplicativos com essa função no mercado e só esse motivo já é suficiente para constar na lista de aplicativos para qualquer freelancer. De qualquer das formas pode ser uma ferramenta interessante para todos os amantes de fotografias pelo smartphone. Tem um custo de 0.99 dólares.
Preço: $0.99

9. Creately
Creately para infográficosÉ um dos sites com mais opções no que toca a diagramas apesar de também ter algum custo associado. No Creately você pode criar diagramas de todas as formas e feitios precisando apenas de introduzir os seus dados. E esses mesmos infográficos podem ser feitos online, no seu desktop ou através de plugins. Apesar do preço para uma única pessoa ser reduzido (5 dólares mensais para a versão online), o site compensa bastante se for utilizado em grupo, acabando por ficar até um peço irrisório. Você tem ainda a versão grátis mas conta com algumas limitações, principalmente ao nível de diagramas públicos disponíveis.
Preço: desde grátis até $75 por mês

10. Cacoo
Cacoo para diagramasCompletamente grátis, o Cacoo funciona de uma maneira bastante prática quando o assunto é trabalhar em equipe. Com este site, você pode criar diagramas bastante interessantes, bastando para isso que transfira as formas de um lado para o outro, que insira texto onde pretender ou mesmo que insira imagens. A sua interface é um pouco complexa à primeira vista – não conseguirá criar nada do outro mundo nos primeiros minutos – mas acredito que qualquer usuário ao fim de algum tempo conseguirá melhores resultados, podendo depois compartilhar ou salvar a imagem que criou. É muito interessante para quem tem de apresentar dados ou mesmo organigramas para algum trabalho ou cliente. Outra das suas vantagens é ser completamente gratuito e o login ser feito por uma conta do Google, Facebook ou Twitter.
Preço: grátis

Pronto para criar infográficos?
Todos os sites apresentados acima são excelentes opções, especialmente as primeiras opções pois são aquelas que realmente apresentam uma qualidade superior. Em muitos casos não é completamente grátis a criação deste tipo de imagens mas acredito que todos estes sites para criar infográficos você ficará mais próximo de conseguir uma imagem viral e que faça na sucesso numa rede social.

E você, já utilizou algum destes sites? Se sim, conte-nos a sua experiência. Ficaremos muito gratos em ouvir o que tem para nos dizer!

Abraços

Fonte: http://www.escolafreelancer.com/sites-e-aplicativos-para-criar-infograficos/

Extrair texto da imagem com programa OCR gratuito

A maioria dos softwares de conversão de PDF lançados incorporaram a funcionalidade OCR, que é um diferencial ao se manusear os PDFs baseados em imagem. Mas vários deles prometem uma coisa e não o fazem. A qualidade do que foi escaneado ou convertido, não compensa o custo, nem a chateação de ser enganado com a promessa de gratuito “pero no mucho” deles.

Então, o que é OCR?

OCR é a sigla em inglês para Reconhecimento de Caracteres Óticos. Este recurso faz com que os documentos escaneados sejam editáveis e pesquisáveis. Neste tempos de livros digitais, você vai aprender sobre como transformar, via software, um PDF escaneado em arquivo editável via OCR.

Reconhecimento óptico de caracteres abreviado para OCR é uma tecnologia de reconhecimento de caracteres a partir de imagens digitalizadas, escrita à mão e texto impresso. Com o reconhecimento dos caracteres, o texto a partir desses materiais de origem pode ser codificado-máquina, em seguida, se torna editável, pesquisável e fácil de transmitir e armazenar. Esta tecnologia é uma aplicação de ciências em reconhecimento de padrões, inteligência artificial e visão computacional.

Porque usar tecnologia OCR?

Enquanto você tem a opção de classificar manualmente através de todos os seus documentos, a tecnologia OCR torna muito mais prático para você encontrar os arquivos no futuro. Em vez de ter que tomar grandes quantidades de tempo vasculhando pastas e pastas, a tecnologia OCR permite que você simplesmente digitar e procurar o que você quer. Com a tecnologia OCR, você se tornará mais organizado e economizar tempo. Além disso, você tem a opção de editar arquivos PDF após o uso da tecnologia OCR, o que torna mais conveniente para todas as mudanças que podem ocorrer no futuro.

Aprender sobre OCR Tecnologia com Renee PDF Converter

Um método conveniente de transferir documentos através de redes é usar documentos PDF, é facilmente compartilhado e facilmente visível. No entanto, um computador apenas vê documentos PDF como imagens, imagens que não são pesquisáveis ou legível para todos, exceto para usuários humanos. Com a tecnologia OCR, você pode fazer estes imagem de arquivos PDF em texto pesquisável. O software irá analisar o documento e extrair o texto a partir dele, o que torna muito conveniente para encontrar artigos no futuro.

Embora tenha muitas opções e empresas no mercado que oferecem serviços de tecnologia de OCR, acho eu que ninguém vai coincidir com a excelente qualidade e serviço que Renee PDF Aide fornece, pois eu testei diversos produtos e o que mais se aproximou do que promete foi o Renee PDF Converter.

Primeiro porque promete o cumpre: GRÁTIS É GRÁTIS. Sem pegadinhas. O processo de utilização tecnologia OCR pode parecer pesado, mas a maioria, se não todos, os usuários vão entender o conceito muito rapidamente com esse pequeno tutorial. Saiba mais sobre como usar tecnologia OCR com Renee PDF Converter no tutorial do fabricante ou ai embaixo nesse passo a passo que eu disponibilizei.

Programa OCR gratuito e de utilização permanente

Passo 1 : Baixe e instale Renee PDF Converter no seu computador com o sistema Windows

Obter versão completa e gratuita!

Passo 2 : Baixar os pacotes de idiomas para conversão

O programa vem sem nenhum idioma instalado, acho que para ficar mais leve e rápido o download, ai você precisa instalar os idiomas que você pretende trabalhar. Eu instalei todos do árabe ao chinês (são sete ao todo).

Passo 3 : Registre o software

É rápido e gratuito mesmo. Precisa apenas de um endereço de e-mail valido.

Passo 4 : Importar arquivos PDF que deseja converter

Você pode adicionar muitos arquivos PDF em um momento. Renee PDF Converter suporta a conversão em lote.

Passo 5 : Selecione o formato de os arquivos exportados

Programa OCR gratuito com a função OCR para identificar imagem digitalizado ou o texto PDF . Sem a necessidade de todas as conversões, você também pode converter as páginas de PDF arquivos selecionadas.

Fonte: http://www.reneelab.biz/programa-ocr-gratuito.html