Redes Sociais – Orkut e Facebook – a nova onda na vida de estudantes de toda idade!

O Orkut e o Facebook apresentam para a educação a oportunidade de entrar em um campo cheio de informações e de atingir a maioria dos adolescentes e jovens.

O Orkut e o Facebook são, antes de tudo, softwares criados para relacionamento, interação, colaboração e troca de ideias e devemos estar atentos a esses princípios quando resolvemos conhecê-los mais de perto e investir neles. Basicamente o trabalho com os dois são o mesmo, só que existem possibilidades dentro de um que não existem no outro, como postar fotos dentro dos grupos de discussão, ou das páginas temáticas, como o Facebook por exemplo, ferramenta que o Orkut ainda não possui.

Desses, o mais conhecido e utilizado no Brasil é o Orkut, por isso caso a escola resolva investir nessas redes sociais, melhor que o faça nele para depois tentar o Facebook.

Essas redes sociais apresentam ferramentas como grupos de discussão (ou comunidades) com diversos temas educacionais. Por exemplo, na rede social Orkut encontra-se mais de mil comunidades sobre Matemática. Dentre elas, está a chamada “Eu amo matemática”, em que existem mais de 90 mil membros, com tópicos de discussão que giram em torno da resolução e explicação de teorias e problemas matemáticos. Os membros postam suas dúvidas e são auxiliados por professores e alunos que gostam e entendem da disciplina.

Visto desse ângulo, muito dos conteúdos expostos nessas redes sociais são os mesmos tratados em sala de aula, porém, nelas, os conteúdos são tratados de maneira colaborativa, pois tanto alunos como professores podem dar suas opiniões e apresentar suas dúvidas sem medo e com a certeza de que serão ajudados.

Outra ferramenta são os APPS, aplicativos produzidos por empresas, que podem ser adicionados aos perfis dos usuários e muitos deles podem ser utilizados por grupos. Existem jogos disponíveis nessas redes que envolvem cálculo matemático e exigem boa comunicação. Esses aplicativos podem ser utilizados em sala de aula para ajudar a explicar alguns conceitos como cálculo, tipo de escrita, conhecimentos gerais, inclusive História e Geografia.

Um dos aplicativos mais acessados atualmente na rede Orkut é o “Colheita feliz”. Nele, o jogador pode ter uma fazenda de verdade, invadir a fazenda de seus amigos para “roubar” frutos ou ajudá-los a manter a plantação livre de pestes e pragas. Pode, ainda, comprar novas terras e aumentar sua plantação. Se o professor estiver disposto a conhecer o aplicativo, pode explorar muitos conceitos, dentro do programa, que são trabalhados em aula e ainda vai contar com o interesse dos seus alunos em sala.

O Orkut é um dos ambientes virtuais mais acessados hoje por esses jovens e até mesmo por crianças e embora seja “proibido” e discutível a participação de menores nos sites de relacionamento, o fato é que eles estão lá, on-line, nessas redes sociais.

Se o professor não conseguir compartilhar com os alunos a mesma cultura, não consegue estabelecer um diálogo. Precisam se integrar a essa realidade porque os desafios são numerosos e constantes; é essencial apropriar-se da funcionalidade e da essência dos objetos e ambientes virtuais de aprendizagem, aproveitar da vivência e experiência dos alunos com os diversos softwares para incorporar a cultura digital e virtual e aprimorar a sua prática.

A escola e ou outras instituições voltadas à Educação necessitam permear os processos de ensino e aprendizagem desses recursos midiáticos. O trabalho com as tecnologias precisa ser em equipe, porque se apenas um professor responder pelo conhecimento do processo e da mídia, os outros tendem a se desinteressar pelo assunto.

Nesse ambiente virtual tem-se a possibilidade de criar perfis ou comunidades para se aproximar mais de seu público-alvo, mas deve-se tomar cuidado e ter sempre alguém atento a esse aspecto para que não sejam postados assuntos que possam denegrir a imagem da instituição. A escola deve também criar uma comunidade adequada ao público que quer atingir. Se for para público jovem, deve manter a comunidade ativa e com notícias e desafios que interessem a esses jovens. Se for para os pais, a mesma abordagem, ou seja, os assuntos devem ser de interesse para eles. É importante lembrar que esse é um espaço de colaboração e discussão, então, caso a instituição não esteja disposta a ouvir e responder aos tópicos de discussão, pode criar uma ferramenta contra e não a favor.

Além de aproveitar os grupos de discussão e os aplicativos já existentes, os professores podem criar comunidades próprias para suas turmas com temas relacionados à sua disciplina, ou à comunidade de uma determinada turma, ou até mesmo da escola. Nesta, podem ser postadas dúvidas e colaborações sobre os temas expostos em sala de aula, o que só funcionará bem se o professor direcionar o uso dos meios de comunicação, criar regras de utilização e estiver disposto a acompanhar de perto o andamento da comunidade.

É conveniente, mesmo sendo uma comunidade moderada – na qual os membros podem ser ou não aceitos pelo moderador -, que outras pessoas com interesse nos mesmos assuntos possam entrar e discutir com a turma. Esse processo aumenta a vontade de colaboração e de exposição de ideias, pois eles percebem a curiosidade e o empenho não só dos colegas, mas de pessoas desconhecidas e podem se sentir mais motivados a interagir. E também por esse motivo, a presença do professor responsável é importantíssima para filtrar pessoas com más intenções e afins…

As pessoas, de maneira geral, gostam de se sentir úteis e de transmitir os conhecimentos que possuem e a Web hoje é o grande meio para isso. Vamos começar?

Quer saber mais sobre as redes sociais Facebook e Orkut? Acesse:

http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia/0,,MUL1313595-6174,00-ENTENDA+COMO+FUNCIONA+O+FACEBOOK.html. Acesso em: 30. mar. 2010.
http://veja.abril.com.br/blog/vida-em-rede/tag/facebook/>. Acesso em: 30. mar. 2010.

Quer saber mais sobre as principais diferenças entre Orkut e Facebook? Acesse:
http://www.baixaki.com.br/info/3937-orkut-x-facebook-quais-as-principais-diferencas-.htm>. Acesso em: 31. mar. 2010.

Fonte: http://www.editorapositivo.com.br/editora-positivo/professores-e-coordenadores/para-sala-de-aula/tecnologia-educacional/leitura.html?newsID=e9d50d1f117340afa7a1486521c7927b

Serão os blogs uma espécie em extinção?


Olá Amigos

Ontem eu vi no Twitter uma mensagem da fantástica Cora Ronai ( @cronai ) que da título a essa postagem: Serão os blogs uma espécie em extinção? . Li a postagem que está no blog dela e lá ela cita que o email já é uma ferramenta no mínimo gasta ou já ultrapassada. Mas adiante ela cita: “Vai desaparecer? Duvido, mas será cada vez menos relevante.”

Ela comenta que com o crescimento das redes sociais vai decretar, ou melhor indicar, o fim dos blogs coisa que eu não acredito. É verdade que uma parte considerável do movimento dos blogs tem mudado de mala e cuia para as redes sociais, e que os 140 caracteres do Twitter limitam bastante um papo ou uma reflexão completa. No caso do Facebook, que é citado pela Cora Ronai na postagem, permite comentários, brincadeiras e a inserção, na mesma página, de imagens e vídeos e não tem a “amarra” do twitter.

Ela cita que: “Pensando bem, o Facebook nada mais é do que um gigantesco blog, escrito simultaneamente a milhões de mãos.

O Twitter, por sua vez, definido como microblog, está mais para quadro de avisos, de onde se apontam os textos, filmes e fotos que chamaram a atenção dos usuários. É, porém, imbatível para informações curtas e rápidas.

Um não anula o outro, pelo contrário: no Twitter a gente dá um alô apressado, no Facebook a gente senta para conversar.“

Concordo com ela em alguns pontos, mas que os blogs vão desaparecer, ou melhor entrar para lista de ferramentas virtuais com risco de extinção eu não acredito. Mesmo caso do email. O Facebook é sim uma ferramenta interessante sobre muitos pontos de vista pois permite comentários, brincadeiras, imagens e vídeos . E alem de permitir aos programadores fazerem pequenos programas para eles, é uma estrategia muito inteligente.

Não percam o Especial MTV: A História do Facebook, veja a entrevista de Cazé com Mark Zuckerberg, criador do Facebook, para entender um pouco mais sobre esse fenômeno da internet.

Lendo o livro Blogging Heroes do Michael A. Banks, vi o tão imenso é a blogosfera. Hoje há entre mais de 100 milhões de blogs, e nesse universo surgem 30 blogueiros com seguidores fiéis, que acompanham os blogs, considerados influentes, inovadores e bem-sucedidos.

Eles escrevem sobre tudo, de tendências de negócios e trabalhos internos, dicas para pais, segredos pessoais e tantos outros assuntos. Então diante desse universo e dessa diversidade eu não acredito na morte dos blogs. O que pode e deve ocorrer sim é uma adaptação ou integração com outra ferramenta virtual.

Mas agora que você leu a postagem da Cora Ronai, assistiu o especial e leu o Caldeirão de Ideias me fala uma coisa:

Para você os blogs vão morrer ou desaparecer? Ou nem um nem outro?

Opine e comente aqui

Abraços

Equipe NTE Itaperuna