Feliz Dia dos Pais

Olá amigos

Hoje é Dia dos Pais e eu quero homenagear a todos pais que frequentam aqui no Caldeirão de Ideias. Vou contar a vocês uma pequena historia que compartilhei com meus seguidores no Twitter.


Vou contar uma micro historia sobre meu pai, que vai com certeza agradar a todos os pais…

Quando eu tinha mais ou menos uns 7 anos, meu pai me levou pra aprender a andar de bicicleta. Foi uma incompatibilidade total eu e a bicicleta. Mas com jeito ele foi me fazendo perder o medo e eu fui conseguindo andar até que deslanchei e aprendi me equilibrar na danada da bicicleta.

Ai já descansando dos tombos, ralados tradicionais e choros ele me perguntou o que tinha sido mais difícil. Eu respondi que tinha sido o medo e os tombos. Então ele me olhou com aquela cara de paizão e me falou isso: “Cada tombo daquele eu senti na carne, cada lagrima daquela queimou o meu rosto, mas nada superou a felicidade de ver você vencer seu medo”. Então eu nunca mais tive medo na vida pois sempre que eu sentia medo, eu fechava meus olhos e pensava naquele minuto e sabia que ele estava ali comigo me ajudando a superar.

Pai esteja onde você estiver: Feliz Dia dos Pais e Eu Te Amo

Do seu filho querido

Robson Freire

Twictionary


Para quem já é usuário do Twitter, palavras como “baleiar” e “tweet” fazem sentido. Já para quem está de fora… Pensando nisso, usuários do site criaram o Twictionary. Confira abaixo alguns dos verbetes que, junto com suas definições em português, estão disponíveis no Twitter Brasil (www.twitterbrasil.org):

# ou hashtags – no Twitter o emprego do símbolo # (também chamado de hashtag) antes de uma palavra serve para identificar o assunto.

@ – símbolo usado antes do nome de algum usuário para direcionar a mensagem a ele ou para se referir a ele.

Baleiar – verbo criado a partir das sucessivas vezes em que o Twitter saía do ar e no lugar aparecia a imagem de uma baleia. Sinônimo aproximado de “sair do ar”.

Fail Whale – baleia simpática que costuma aparecer quando o Twitter sai do ar.

Follow – termo em inglês que significa “seguir” alguém.

Follower – termo em inglês para “seguidor”, ou seja, todos os contatos que acompanham as atualizações de alguém.

Following – termo em inglês para “seguindo”, ou seja, todos os contatos que são acompanhados por alguém.

Twerd – um twitteiro nerd

Twitiqueta – Twitter + Etiqueta: as regras relativamente não escritas de conduta no Twitter

Egotwistico – tendência a falar excessivamente sobre si mesmo no Twitter

Twídia – mídia com presença no Twitter

Tweet ou twittada – nome dado a cada mensagem postada no Twitter

Twittar – verbo, ação ou efeito de postar alguma coisa no Twitter

Twitteiro – usuário do Twitter

Twequilíbrio – quando o número de followers e following é praticamente o mesmo

Twerminologia – o estudo da terminologia do Twitter

Twewbie – um novato no twitter (newbie)

Twittervista – entrevista feita através do twitter

Twirtar – a arte de flertar através do Twitter

Twitteratura – literatura no Twitter

Twistórico – o conjunto de atualizações de um determinado usuário

Twinfluenciador – um usuário do twitter que influencia outras pessoas

Twitterholic – viciado em Twitter

Twittersação – conversação realizada através do Twitter

Twincidência – quando uma coincidência acontece no Twitter, como no caso de dois ou mais usuários postarem sobre a mesma coisa simultaneamente.

LINKS RELACIONADOS

http://www.compete.com/about
http://www.twitterbrasil.org/
http://www.raquelcamargo.com

Fonte: http://www.conexaoaluno.rj.gov.br/especiais-21b1.asp

Guia para a utilização do Twitter.

Sendo o Twitter uma ferramenta muito interessante e tendo em conta que é um tema que me agrada muito, não podia fazer poucos artigos acerca do mesmo, o objetivo é ajudar os novatos a utilizarem o Twitter eficazmente, sendo uma série também longa o melhor é ter um índice para a mesma e para facilitar a vossa utilização deste blogue.

Funcionamento do Twitter :

-Conceitos básicos do Twitter.

-Como criar uma conta no Twitter.

-Como usar o Twitter.

-O que é um Replie.

-O que é um Retweet.

-O que são Trends e Hashtags.

-Como encurtar endereços de Internet.

Encurtar endereços com o j.mp

-Como crias listas no Twitter.

Serviços Online :

-Como saber quem seguir no Twitter.

-Ferramentas e serviços para o Twitter.

–10 Dicionários para o Twitter.

-Census Twitter

-MicroPlaza, Serviço Web para filtrar o Twitter.

-TweetChat – Seguir conversas no Twitter.

-Tweetmixx – Serviço web para Twitter.

Aplicações para o Twitter :

-Tweetdeck.

-Seesmic Desktop.

-Seesmic Web.

-Novas funcionalidades do Seesmic Web.

-TwitterGadget.

-Twitterface.

-Brizzly – Nova aplicação Web para o Twitter.

-Chromed Bird – Extensão para o Chrome.

-Tweetminer – Aplicação para o Twitter.

-Seesmic para Windows.

Fonte: http://pedromolopes.blogspot.com/2009/05/guia-para-utilizacao-do-twitter.html

O Twitter na nova Educação

Texto Luciana Maria Allan

Um olhar crítico sobre os recursos tecnológicos disponíveis deve ser uma prática permanente na nova Educação

Foto: O @colband segue especialistas e repassa para os alunos as últimas tendências


O @colband segue especialistas e repassa para os alunos as últimas tendências

O Twitter é uma ferramenta de microblogging que permite a troca de mensagens, com até 140 caracteres. Provavelmente, você já leu esta definição em dezenas e dezenas de artigos. Muitos deles ensinando como redigir o conteúdo a ser compartilhado; outros questionando as funcionalidades desta rede social.

A nova Educação, calcada principalmente nos elementos humanos e na real troca de experiência, exige um planejamento preciso. Dessa forma, um olhar crítico sobre os recursos tecnológicos disponíveis deve ser uma prática permanente. Portanto, entender as funcionalidades e sua essência é requisito básico. Caso contrário, não se tem eficácia. Parece óbvio, mas poucos fazem desta forma!

Na maioria das vezes, no Twitter, mensagens sem propósitos povoam as páginas; usuários seguem outros sem qualquer critério; e links são postados sem acrescentar conteúdo. Na área de Educação, por exemplo, é comum lermos mensagens questionando a qualidade do ensino (“O ensino no Brasil tem qualidade?”) ou defendendo a sua importância (“Educação é fundamental”). Mas poucas apresentam soluções ou caminhos a serem seguidos para obter resultados significativos. Talvez isso ocorra porque poucos conhecem a verdadeira utilidade das ferramentas sociais: propagar discussões e, ao mesmo tempo, oferecer elementos para o aprimoramento contínuo.

Neste contexto, as poucas ações sérias e de qualidade merecem destaque. O Colégio Bandeirantes, por exemplo, utiliza o Twitter para divulgar informações dos departamentos, curiosidades e convites. Com mais de 500 seguidores, o @colband, além de noticiar informações institucionais, segue especialistas e repassa para os alunos as últimas tendências.

Com uma proposta clara (“o nosso propósito de formação integrada valoriza o desenvolvimento de potencialidades intelectuais e afetivas dos nossos alunos”), o Twitter do Colégio Bandeirantes foi estruturado após muito planejamento e é decorrência de uma ampla pesquisa da instituição para a escolha do conteúdo a ser propagado. O resultado: alunos seguem, propagam as informações divulgadas pelo @colband e têm a oportunidade de enviar mensagens diretas para o Twitter, tirando dúvidas e fazendo considerações.

Outras instituições de ensino também estão se relacionando de forma efetiva no Twitter – embora com mais timidez do que o @colband: Parthenon (@tparthenon), com 157 seguidores; Bilac (@colegiobilac), com 90 seguidores; e Dante Alighieri (@colegiodante), com 270 seguidores.

No Brasil, ações eficazes como estas e do Colégio Bandeirantes são muito limitadas. Já no exterior, são mais evidentes. Além dos colégios aderirem à ferramenta para propagar informações, os próprios alunos estão sendo incentivados a utilizá-la. O The Guardian noticiou, recentemente, que ensinamentos relacionados ao Twitter farão parte do currículo das escolas primárias do Reino Unido.

No Brasil, essa revolução deve demorar para acontecer. Por aqui, começou, recentemente, o debate de estudos antigos, como, por exemplo, o “Can we use Twitter for educational activities?” (“Podemos usar o Twitter para atividades educacionais?”, em português). Detalhe: o documento foi lançado pelas pesquisadoras Gabriela Grosseck e Carmen Holotescu em 2008, atestando, de certa forma, a falta de agilidade brasileira.

O estudo defende, por exemplo, a necessidade de se twittar dentro das salas de aulas, promovendo a rápida discussão de temas, e reforça a necessidade do Twitter ser utilizado como ferramenta educacional. Outras dicas interessantes: compartilhamento de vídeos de aprendizagem; reenvio de tweets interessantes e divulgação de mensagens com os links do site, blog ou podcast da instituição de ensino.

Não esqueça: faça enquetes, abra discussões, troque experiências com os alunos e aproveite a oportunidade para despertar o senso crítico e o poder de síntese dos discentes – uma das competências mais privilegiadas hoje no mercado de trabalho.

Mais importante do que divulgar informações é fazer com que a mensagem seja compreendida de forma clara, simples e sintética! No próximo artigo, falaremos sobre as outras ferramentas que discutem as novas tecnologias aplicadas à Educação. Enquanto isso, explore o NING. Lá, há comunidades interessantes sobre Educação, novas tecnologia e inclusão digital. Aproveite!

(*) Luciana Maria Allan é diretora do Instituto Crescer Para a Cidadania e doutoranda na Faculdade de Educação da USP. E-mail: luciana@institutocrescer.org.br

Fonte: http://educarparacrescer.abril.com.br/aprendizagem/twitter-educacao-507544.shtml

22 maneiras para usar o Twitter na sala de aula

Para quem precisa de inspiração para usar o Twitter como recurso educacional vai gostar dessa apresentação “Twenty-Two Interesting Ways* to use Twitter in the Classroom” . Aos poucos o Twitter que parecia ser uma ferramenta tola começa a mostrar utilidade no processo na disseminação de informação no ciberespaço.

Para tirar o máximo de proveito do Twitter é importante ter uma boa ferramenta para postar e acompanhar os posts de sua rede. Eu aconselho as seguintes ferramentas:

Twitter Fox – É uma extensão para o navegador Firefox que permite a postagem e o acompanhamento dos posts de sua rede a partir do próprio navegador.


Spaz – Este é como se fosse a versão do MSN para o Twitter. Muito bacana! Funciona independente de navegador e roda em qualquer sistema operacional.



Twitter Deck
– Este é o mais rico em recursos. Possui várias funcionalidades, como criação de grupos, favoritos, conexão com o Facebook, dentre outras. Para quem quer uma coisa mais simples pode se sentir um pouco perdido no começo, mas é uma excelente opção para aqueles que desejam tirar o máximo do Twitter.


Eu tenho os 3 instalados, mas uso mais o Twitter Fox e o Spaz.

Obs.: recomendo o blog do @tombarrett http://edte.ch/blog/interesting-ways/ que esta cheio de material interessante sobre educação e como usa-lo

Fonte: http://webparaeducadores.blogspot.com/2009/04/22-maneiras-para-usar-o-twitter-na-sala.html

Tutorial Como se Cadastrar no Twitter

Você tem escutado direto a palavra Twitter e não faz a mínima idéia do que significa? Então esse post vai tirar algumas de suas dúvidas, e explicar como fazer para se cadastrar na nova onda mundial.

O Twitter é um micro-blogging, ou seja, é um blog que, literalmente, você escreve “micro”, ou melhor, pouco. O máximo de caracteres que você pode escrever são 140. O legal é que você pode “seguir” todos os seus amigos e saber tudo que eles estão fazendo, além de “seguir” pessoas famosas.

Por que falo em “seguir”? Por que quando você quer acompanhar o Twitter de alguém, tem que clicar em “Follow” (”Seguir”) na página do Twitter da pessoa.

Confira agora, passo-a-passo, como se cadastrar no Twitter:

1) Assim que entrar na página inicial do Twitter: http://twitter.com, clique em “Get Started – Join!”.

Primeiros passos para o mundo do TWITTER

2) Agora você deve preencher com seu Nome (Full name), Nome de usuário/Apelido (Username – esse é o que irá aparecer no seu endereço – http://twitter.com/USERNAME), senha (Password) e email. Escreva os dois códigos, separados por espaço, onde está escrito “Type the words above“. Quando tiver preenchido clique em “Create my account“.

Preenchendo com dados pessoais

3) Na terceira etapa ele pede para ver se seus amigos estão no Twitter usando sua conta de email, pule essa etapa que depois irá aparecer de novo (clique em “Skip This Step” embaixo do botão “Continue”).

Pulando etapa de adicionar amigos no Twitter

4) Agora ele vai querer adicionar automaticamente algumas pessoas ao seu Twitter. Eu não quis, se você também não quiser, desmarque o quadradinho escrito “Select All” e aguarde pois irá sumir todos os avatares (”fotinhas”) à direita da tela. Atenção: Se você quiser deixar essas pessoas serem adicionadas ao seu Twitter, apenas clique em “Finish“.

Opção automática do Twitter

5) Imagem mostrando a página depois de desmarcar a opção “Select All” (sumiram as fotos na direita e todos os quadradinhos estão desmarcados). Agora clique em “Finish“.

Desmarcada a opção “Select all”

6) Parabéns! Você está cadastrado no Twitter!! Essa será a SUA página do Twitter (Foto 6). Vamos agora procurar seus amigos ou pessoas famosas para segui-las, clique em “Find some friends” (Continua na próxima etapa, antes veja alguns detalhes desta página).

Alguns detalhes desta página:

  • o retângulo escrito “What are you doing?” é para você escrever o que está fazendo (lembre-se, só pode escrever 140 caracteres!)
  • na direita você vê seu nome de usuário e abaixo dele aparecem quantas pessoas você está seguindo (”following _me“), quantas pessoas estão te seguindo (”followers_me“) e quantas vezes você mandou mensagem (”updates“)

Foto 6 – Detalhando SUA página no Twitter
7) Você pode achar seus amigos no Twitter pela sua conta de email (basta colocar sua senha do email em “Email Password“). Ou então procurar pessoas pelo nome, clique na aba escrito “Find on Twitter” (”Achar no Twitter“)

Achando amigos ou famosos no Twitter

No espaço escrito “Who are you looking for?” escreva o nome da pessoa que você quer ver se tem Twitter (por exemplo, eu escrevi o nome que a atriz Demi Moore usa no Twitter (Mrs Kutcher). Você pode procurar pelo nome de usuário, pelo primeiro nome, pelo segundo nome ou pelo nome todo. Em seguida clique em “search“.

Procurando alguém pelo nome no Twitter

9) Na página seguinte você vai ver todo os Twitters que ele achou com o nome que você digitou. O que aparece na foto é mesmo o da Demi Moore, se quiser segui-la, basta clicar em “Follow” ao lado do nome.

Seguindo a pessoa que achou no Twitter

ATENÇÃO! Existem vários Twitters fakes (falsos), principalmente de pessoas famosas. Se quiser ter certeza que é da pessoa famosa que está procurando, tente procurar pela internet algum lugar falando sobre o Twitter dela.

Fonte: http://rainydays.rockerspace.net/ajuda-com-twitter/

Twitter na escola ajuda?

Existem múltiplas formas de fazer do nanoblog um assistente divertido e eficaz, em sala de aula.

Sergio Amadeu da Silveira

ARede nº51,setembro 2009

O Twitter pode ser uma boa ferramenta para a Educação? Como um nanoblog com 140 caracteres pode apoiar o processo de ensino-aprendizado? O Twitter usado em sala de aula garantirá a múltipla atenção dos estudantes ou simplesmente gerará um processo de dispersão? Quais outras possibilidades de uso educacional do Twitter?

Essas questões são cada vez mais importantes. Isso porque o Twitter não é mais uma atividade de nerds e super-usuários da internet. O Twitter já ultrapassou 1 milhão de participantes, somente no Brasil. A tendência é crescer ainda mais. Além disso, o Twitter permite uma grande versatilidade de uso. Alguns dizem que se presta mais a divulgação de ideias e dicas. Na realidade, o Twitter pode ter usos muito mais variados. Algumas pessoas usam para expressar sentimentos, outras para cobrir eventos e algumas até para denunciar políticas ou políticos que consideram nefastos.

Para aprofundar um pouco as possibilidades de uso do Twitter no ensino formal, traduzi algumas ideias das pesquisadoras romenas Gabriela Grosseck e Carmen Holotescu, que em 2008 escreveram um documento intitulado “Can we use Twitter for educational activities?”, ou, “Podemos usar o Twitter para atividade educaionais?” Gabriela e Carmen exploraram questões pragmáticas sobre o potencial do Twitter como ferramenta educacional, baseando-se em suas próprias experiências. Uma primeira possibilidade é a criação de comunidades de alunos. A ideia é twittar em sala de aula ou fora dela sobre temas de interesse da disciplina.

Explorando a escrita colaborativa, é possível promover atividades de busca de conteúdo na rede e dispor as descobertas para os colegas. Tais buscas podem ser divertidas e as dicussões no próprio twitter podem ser bem proveitosas, mesmo que não sejam realizadas em tempo real. Os alunos podem realizar as suas postagens (twittar), endereçadas aos seguidores do perfil da sua turma, para perguntar e esclarecer dúvidas sobre o tema da pesquisa proposta pelo professor. Também podem refletir conjuntamente sobre a pertinência ou a compreensão coletiva de determinados fatos.

Minha sugestão é trabalhar com as #hashtags ou hashtags, quando se está pesquisando um tema. O processo é bem simples. A turma decide que todos que escreverem sobre aquele tema no início ou no final da postagem coloquem um identificador do assunto, ou seja, uma hashtag. Por exemplo: todo mundo que estiver participando da pesquisa sobre Machado de Assis deve incluir na frase a hashtag #machado. Com isso, depois basta clicar na hashtag para obter as postagens de todo mundo que escreveu algo sobre o autor. Assim, é possível resgatar toda a discussão, dicas, dúvidas e declarações realizadas.

A turma pode, inclusive, usar as postagens feitas no Twitter para editar um blog com um novo ordenamento das informações coletadas. Assim, dá para fazer uma análise crítica de todo o processo e requalificá-lo. A definição do tagueamento ou etiquetagem das postagens pode ser muito útil não só para recuperar informação, mas para definir exatamente o que a turma está procurando. Discutir o nome mais adequado da tag é, em si, um exercício não somente escolar, mas também que ajuda as pessoas a entenderem a importância da web semântica.

De volta às proposições das pesquisadoras romenas, o Twitter serve também para a classe debater com um cientista, personagem ou professor que está em outra cidade. Usando uma hashtag combinada com o convidado, que está à distância, a turma pode transformar o Twitter em “uma sala de conferência”. A dificuldade é coordenar o debate para que não seja uma “gritaria digital”. Mas essa é uma das situações que fazem parte do aprendizado do uso da ferramenta. Depois do debate online, em tempo real, os alunos podem recuperá-lo a partir da hashtag para uma análise posterior mais profunda.

Outro exercício bem interessante e divertido é levar a turma para a sala de internet e combinar que cada um deve imediatamente escrever a continuidade do texto do outro. Mas o tema deve ser aquele que está sendo estudado. Assim, é possível avaliar a compreensão e o desempenho de modo participativo. As sentenças devem fazer sentido para a correta compreensão do problema que está sendo estudado. O professor pode incentivar, postando uma frase ou pergunta inicial e as pessoas têm trinta segundos para escrever, seguindo uma ordem previamente combinada.

Entre as várias possibilidades de uso educacional do Twitter, coloco a do estudo do meio com o uso de celulares que têm câmera fotográfica e envio para o twitpic (http://twitpic.com/) – aplicação que permite expor as imagens que os twitters captaram. Aulas de geografia e jogos narrativos, tais como a história da sua rua ou do bairro, podem ser realizadas pela turma, que irá participar e analisar conjuntamente o processo.

Enfim, o uso do Twitter ou do identi.ca, um microblogging livre, no processo de ensino e aprendizagem, pode melhorar a integração dos alunos e incentivar a autonomia de pesquisa na rede e o compartilhamento de soluções. Sem dúvida, o uso da rede e do próprio nanoblogging
em sala de aula pode gerar dispersão e baixo aproveitamento se não for planejado e bem orientado. Por isso, o professor deve cada vez mais assumir a posição de um navegador experiente. É preciso superar o ensino verticalizado, centrado exclusivamente na hierarquia e encontrar novas formas de aprendizado em rede.

Sergio Amadeu da Silveira é sociólogo, considerado um dos maiores defensores e divulgadores do software livre e da inclusão digital no Brasil. Foi precursor dos telecentros na América Latina e presidente do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação.

Fonte: http://www.arede.inf.br/inclusao/edicao-atual/2268-twitter-na-escola-ajuda

Qual o valor educacional do Twitter?

O ecossistema de tecnologias e recursos em que a maioria dos cursos EAD está envolvido sofre transformações e ajustes constantemente. Sendo que algumas novas tecnologias que parecem revolucionar a maneira com que as pessoas se relacionam na web, sempre resultam em desafios para professores e designers instrucionais na adaptação de aulas e metodologias, para adaptar os cursos aos novos sistemas. Um dos mais recentes ambientes em que os alunos estão inseridos, muito devido a uma exposição excessiva da mídia é o Twitter. O sistema de microblogs está fazendo muito sucesso hoje, sendo mais um canal de comunicação e relacionamentos entre pessoas.

A pergunta que devemos fazer sobre o Twitter é: qual o valor educacional desse sistema? Se é que ele existe.

Como base para comparação, podemos abordar o uso de blogs para educação que já estão inseridos nesse contexto educacional há um bom tempo. Os blogs são ferramentas poderosas para professores e tutores, e muitas pessoas se questionam se é possível migrar para o Twitter e fazer o mesmo tipo de abordagem com os alunos.

Twitter's

Como forma de abordar o uso do Twitter e blogs, podemos fazer uma comparação entre os recursos oferecidos por cada um dos sistemas/ambientes. Para facilitar a comparação, vamos usar os seguintes critérios para análise:

  • Texto
  • Uso de imagens
  • Uso de multimídia
  • Consulta ao histórico
  • Organização e classificação
  • Manutenção
  • Interação e diálogo

O primeiro a ser analisado é o blog:

  • Texto: Os blogs não apresentam nenhum tipo de restrição a quantidade de texto usado pelo professores, o que permite usar o sistema para qualquer tipo de descrição ou explicação envolvendo grandes quantidades de texto.
  • Uso de imagens: O uso de imagens e figuras é livre nos blogs, sendo que até nos sistemas gratuitos é possível enviar imagens para o sistema, sem a necessidade de usar artifícios para hospedar os arquivos em outros locais.
  • Uso de multimídia: Aqui também não há restrição de uso, mas o editor do blog precisa ter conhecimentos de html para colar os códigos necessários para mesclar os conteúdos no texto.
  • Consulta ao histórico: Os textos do blog são organizados em ordem cronológica, o que deixa mais fácil de acompanhar os textos.
  • Organização e classificação: A organização dos conteúdos pode ser realizada por categorias, tags ou mesmo em meses específicos.
  • Manutenção: Dependendo de como o blog é hospedado, a manutenção pode ser um desafio para pessoas sem conhecimentos técnicos.
  • Interação e diálogo: Os textos do blog podem permitir que os leitores publiquem comentários sobre o conteúdo apresentado no texto, se transformando em um mini fórum de discussão.

Agora analisando o Twitter:

  • Texto: Qualquer texto publicado no sistema só pode ter 140 caracteres.
  • Uso de imagens: Por padrão, não é possível usar imagens. Apensa links para lugares que hospedam a imagem de maneira externa.
  • Uso de multimídia: Assim como nas imagens, o material multimídia deve ser indicado por links.
  • Consulta ao histórico: Os textos são organizados em ordem cronológica, mas não há classificação específica. Os leitores podem fazer consultas por pesquisa textual.
  • Organização e classificação: Não há maneira simples de classificação como os blogs.
  • Manutenção: Não é necessária nenhuma manutenção, pois a hospedagem é feita nos servidores do próprio Twitter.
  • Interação e diálogo: Aqui existem uma grande diferença para os blogs. Os usuários podem citar outras pessoas nos comentários, como se fosse um diálogo. Também é possível enviar mensagens privadas entre usuários.

A comparação não tem como objetivo dissecar os serviços, mas mostra que para fins educacionais os blogs ainda não podem ser superados pelo Twitter. Os professores tem muito mais liberdade de organizar e publicar conteúdos do que no serviço de microblogs. O Twitter fica mais como uma ferramenta de comunicação rápida, que serve apenas para isso mesmo. Seria algo como comparar o uso de textos mais longos e trabalhados com o SMS do celular. É uma coisa útil, mas apresenta as suas limitações.

E você já fez a sua conta no Twitter? Se já fez, pode seguir o meu Twitter Allan Brito.

Fonte: http://www.colaborativo.org/blog/2009/09/15/qual-o-valor-educacional-do-twitter/

Serão os blogs uma espécie em extinção?


Olá Amigos

Ontem eu vi no Twitter uma mensagem da fantástica Cora Ronai ( @cronai ) que da título a essa postagem: Serão os blogs uma espécie em extinção? . Li a postagem que está no blog dela e lá ela cita que o email já é uma ferramenta no mínimo gasta ou já ultrapassada. Mas adiante ela cita: “Vai desaparecer? Duvido, mas será cada vez menos relevante.”

Ela comenta que com o crescimento das redes sociais vai decretar, ou melhor indicar, o fim dos blogs coisa que eu não acredito. É verdade que uma parte considerável do movimento dos blogs tem mudado de mala e cuia para as redes sociais, e que os 140 caracteres do Twitter limitam bastante um papo ou uma reflexão completa. No caso do Facebook, que é citado pela Cora Ronai na postagem, permite comentários, brincadeiras e a inserção, na mesma página, de imagens e vídeos e não tem a “amarra” do twitter.

Ela cita que: “Pensando bem, o Facebook nada mais é do que um gigantesco blog, escrito simultaneamente a milhões de mãos.

O Twitter, por sua vez, definido como microblog, está mais para quadro de avisos, de onde se apontam os textos, filmes e fotos que chamaram a atenção dos usuários. É, porém, imbatível para informações curtas e rápidas.

Um não anula o outro, pelo contrário: no Twitter a gente dá um alô apressado, no Facebook a gente senta para conversar.“

Concordo com ela em alguns pontos, mas que os blogs vão desaparecer, ou melhor entrar para lista de ferramentas virtuais com risco de extinção eu não acredito. Mesmo caso do email. O Facebook é sim uma ferramenta interessante sobre muitos pontos de vista pois permite comentários, brincadeiras, imagens e vídeos . E alem de permitir aos programadores fazerem pequenos programas para eles, é uma estrategia muito inteligente.

Não percam o Especial MTV: A História do Facebook, veja a entrevista de Cazé com Mark Zuckerberg, criador do Facebook, para entender um pouco mais sobre esse fenômeno da internet.

Lendo o livro Blogging Heroes do Michael A. Banks, vi o tão imenso é a blogosfera. Hoje há entre mais de 100 milhões de blogs, e nesse universo surgem 30 blogueiros com seguidores fiéis, que acompanham os blogs, considerados influentes, inovadores e bem-sucedidos.

Eles escrevem sobre tudo, de tendências de negócios e trabalhos internos, dicas para pais, segredos pessoais e tantos outros assuntos. Então diante desse universo e dessa diversidade eu não acredito na morte dos blogs. O que pode e deve ocorrer sim é uma adaptação ou integração com outra ferramenta virtual.

Mas agora que você leu a postagem da Cora Ronai, assistiu o especial e leu o Caldeirão de Ideias me fala uma coisa:

Para você os blogs vão morrer ou desaparecer? Ou nem um nem outro?

Opine e comente aqui

Abraços

Equipe NTE Itaperuna

Hiperinflação de conteúdo: e se a gente não aguentar mais?


Ana Amélia Erthal

Imagine que não aguentamos mais conviver com tanto conteúdo, que nossa atenção ficou tão reduzida que não conseguimos mais nos concentrar em nada com profundidade, que os estímulos nos interrompendo a todo instante em tantas mídias diferentes eram tantos que … não conseguimos ler os jornais, acompanhar os twitts, ver os filmes na TV, não respondemos e-mails, não olhamos nossos blogs e portais favoritos, não acompanhamos as séries, não damos mais conta de tanta informação… e, por fim, não resistimos à cultura contemporânea do excesso.

Se esse cenário existisse, a primeira providência seria banir o direito da leitura. Sim, porque afinal de contas, ler faz mal. Ou como diz o nosso caríssimo presidente Lula, “ler dá azia”. Claro que tudo isso é uma brincadeira, mas serve pra gente pensar mais um pouco sobre a Era do Excesso de informação, que já esteve nessa coluna algumas vezes.

O filme Fahrenheit 451 faz uma leitura bem legal e mostra exatamente esse cenário em que a leitura é proibida. Ele foi adaptado do livro de Ray Bradbury e conta a história de um tempo no futuro em que o trabalho dos bombeiros era destruir livros. As pessoas “deduram” as outras e os bombeiros vão até as casas, procuram os livros proibidos, juntam tudo e depois incendeiam. Em vez de apagar, os “firemen” acendem o fogo, já é bem curioso. O filme tem esse nome porque é essa a temperatura em que o papel queima e embora seja antigo, tem um roteiro bem inteligente. É engraçado ver a revista/ jornal que mais parece um quadrinho, mas sem nenhuma letra, aliás, não há inscrição nenhuma em todo o filme, a não ser nos livros proibidos.

Outra passagem muito legal é a do comandante dos bombeiros explicando para o operador de lança-chamas porque é que os livros são perigosos para a mente humana e como eles nos tornam diferentes um dos outros. Para efeito de análise, podemos aplicar esse conceito dele para as outras mídias e conteúdos também: como nos diferenciamos por eles?

Eu preparei uma pequena edição de quatro minutos. Na primeira parte há o ritual de queimar livros e na segunda, o discurso do comandante, veja:

Fahrenheit 451

Então, o que achou? Se quiser saber mais sobre cultura do excesso, leia também esse artigo no blog do Encontro de 2 Mundos.

Up the Webwriters!

Fonte: http://imasters.uol.com.br/artigo/13217/webwriting/hiperinflacao_de_conteudo_e_se_a_gente_nao_aguentar_mais/