Reforço Digital e Educopédia – Entrevista com Rafael Parente

Olá Amigos

Sempre gosto de destacar e mostrar aqui no Caldeirão de Ideias textos, sugestões e iniciativas que fazem a diferença para a educação.

Conheci o professor Rafael Parente (@rafael_parente) através do twitter da minha subsecretaria Teca Pontual, que alias se mostra cada vez mais competentíssima e eficiente no cargo.

O Rafael Parente alem de contribuir com twittadas cada vez mais relevantes e interessantes é um dos idealizadores de um projeto maravilhoso e inovador desenvolvido pela Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro – SME RJ, intitulado Reforço Digital e o Educopédia.

É a primeira vez que vejo uma Secretária Municipal de Educação Cláudia Costin (@ClaudiaCostin)tão acessível aos professores da rede e que faz da inovação tecnológica realmente um caminho a ser seguido. Ela junto a atual Secretária de Educação do Estado a Teresa Porto são o que há de melhor na educação desse pais, principalmente em não medir esforços para levar a frente propostas realmente inovadoras para os alunos da rede pública.

Não foi suficiente? Sim falta muito ainda, mas elas tiveram a coragem de fazer o necessário.

Agora vou reproduzir uma entrevista feita com o professor Rafael Parente onde ele fala sobre o Reforço Digital e o Educopédia e as ações da SME-RJ.

1) Sobre o reforço digital e o Educopédia

A ideia do reforço digital foi da secretária Cláudia Costin no ano passado. Já o Educopédia é uma ideia antiga minha. A nossa estratégia aqui na SME é transformar a primeira versão do Reforço Digital em Educopédia já no segundo semestre. O Reforço Digital faz parte do programa Escola 3.0, que visa reunir ações de modernização e informatização da rede, podendo ser acessado pelo link na página da SME: http://www.rio.rj.gov.br/sme/ e também a partir de CDs que estão sendo distribuídos para as escolas. Esse projeto está sendo implementado pela subsecretaria de projetos estratégicos, por meio de uma parceria entre MultiRio, Iplan e Mídia-Educação, com os seguintes objetivos:
I. Agir como mais um apoio aos professores para melhorar a qualidade da educação do município através do oferecimento de atividades digitais online e em CDs;
II. Servir como alternativa para alunos que precisam de praticar mais o conteúdo apresentado em sala de aula, nos computadores das escolas durante o contra turno, por exemplo.
Entre as várias justificativas científicas para esse projeto, sabemos que a utilização do computador e da internet aumentam o interesse e a motivação dos alunos, além do que, com o reforço digital, os alunos poderão apreender os conteúdos mais profundamente, em qualquer horário ou lugar. As escolas podem emprestar os CDs para que os alunos façam cópias e os alunos podem acessar a página de qualquer lugar que tenha internet. Nessa primeira versão, o Reforço oferece 50 questões de múltipla escolha de cada ano (2º a 9º) e de cada disciplina (inicialmente apenas matemática e língua portuguesa, mas incorporaremos outras disciplinas em breve). O próprio sistema indica se a resposta enviada está correta ou não. A segunda versão (Educopédia), incluirá vídeos, animações e jogos e é nossa meta inaugurá-la no 2º semestre. O Educopédia incluirá aulas digitais auto-explicativas, correspondentes às semanas de aula e seguindo as orientações curriculares da SME para serem usadas por alunos ou professores (para revisão da matéria).

2) Sobre nossas estratégias para a integração TICs + educação

A subsecretaria de projetos estratégicos cuida de cinco programas da Secretaria Municipal de Educação do Rio, incluindo o Escola 3.0, que visa a melhoria da qualidade da educação através da modernização e informatização da rede, a construção de um planejamento estratégico de curto, médio e longo prazo observando macro-tendências consequentes da utilização das novas tecnologias no contexto educacional e a articulação de ações entre Iplan, MultiRio, Mídia-Educação e parceiros, através de uma postura mais pró-ativa. O reforço digital e o educopédia são projetos dentro desse programa. A nossa principal estratégia é fazer com que a rede toda, incluindo alunos, professores, gestores, etc, entendam que aprender qualquer coisa com a ajuda das tecnologias é muito mais fácil e divertido. Estou na rede há pouco tempo, mas estou muito impressionado positivamente com a recepção das pessoas em todos os níveis (escolas, CREs e nível central) de novas ideias, incluindo capacitações, pesquisas, diário online e reforço digital.

As metas da fase 1 do Escola 3.0 são as seguintes:
-Pelo menos 90% das escolas terão laboratórios de informática com 20 máquinas funcionando, no mínimo;
-Todas as turmas de 6º a 9º anos da rede terão 1 netbook ou tablet para cada 3 alunos e 1 projetor com caixas de som para cada 2 professores;
-Todas as escolas terão internet sem fio de pelo menos 7MB nas salas de aula;
-Todos os professores e gestores se sentirão pelo menos razoavelmente aptos a integrarem tecnologias para melhorar o seu trabalho;
-A 1ª versão do sistema Escola 3.0 estará sendo utilizada por toda a rede.

O Escola 3.0 é sustentado por 3 pilares:
– Infraestrutura e manutenção: A meta a longo prazo é que cada aluno e professor tenha o seu netbook, tablet, ou outra ferramenta com que ele possa consumir, produzir e compartilhar conteúdos educacionais. Os espaços de aprendizagem serão equipados com projetores e internet sem fio. A manutenção será de responsabilidade do Iplan.
– Capacitação de professores e gestores: O trabalho da Universidade do Educador Carioca, da MultiRio e de parceiros (MEC, Microsoft, institutos e outros) equipará professores e gestores com conhecimento para tirar o melhor proveito de computadores, internet, smartphones, etc, reconhecendo, inclusive, que o seu papel mudou. Como a quantidade de novas informações em qualquer área tende a se multiplicar em velocidade cada vez maior, o professor deixa o papel de detentor do conhecimento para se tornar o arquiteto de processos de aprendizagem, buscando, com os alunos, as melhores fontes de informações e as melhores formas de aprender.
– Sistema Escola 3.0: Iplan, MultiRio, universidades e Microsoft se unirão para criar um sistema que reunirá o novo sistema de gestão acadêmica em tempo real (SGA Web), um LMS, uma filosofia pedagógica, redes sociais e novos conteúdos. Alunos, professores, gestores e familiares utilizarão esse sistema nas escolas, residências ou lan houses. Por meio dele, professores e alunos produzirão, consumirão e compartilharão conteúdos e opiniões a partir de uma rede social, serão avaliados em tempo real de acordo com a sua utilização e construirão portfolios eletrônicos, incluindo gráficos e tabelas que ilustrarão o desenvolvimento de novas competências e habilidades. O sistema também permitirá a realização de atividades assíncronas, fora da sala de aula.

Outras ações específicas de curto prazo do Escola 3.0 são:
-Diário eletrônico
-Instalação de novos laboratórios
-Compra de netbooks e projetores para Escolas do Amanhã
-Pesquisa-diagnóstico com Oi Futuro e IBOPE para entender como alunos, professores e diretores se relacionam com as TICs
-Site de parceria SME/Parceiros para comunicação mais eficiente
-Capacitações com MEC, Microsoft e MultiRio

3) Sobre o papel das novas tecnologias na educação

As novas tecnologias estão mudando a forma como o cérebro funciona, como as pessoas se comunicam, pensam e se relacionam. Eu acredito que as novas tecnologias podem ajudar muito a melhorar a qualidade da educação, mas é importante que várias ações integradas aconteçam. É preciso entender como professores, diretores e alunos pensam e agem antes de se planejar novas ações. Várias pesquisas científicas indicam, por exemplo, que: a utilização de computadores e da internet aumenta o interesse e a motivação dos alunos, que as tecnologias quebram barreiras de tempo e espaço e que a co-autoria e o compartilhamento de informações são facilitados.

Eu entendo que exista hoje um grupo um pouco desconfiado, já que vários investimentos foram feitos, mas geraram pouco impacto na aprendizagem. Haviam grandes promessas e a sensação de que a modernização da infra-estrutura traria um avanço educacional. As pessoas não levaram em conta que inovações só acontecem quando os envolvidos na ponta se sentem capazes e motivados para fazê-las. Um outro problema foi que novas tecnologias não trariam novos resultados funcionando com processos antigos; era preciso criar novos procedimentos e sistemas. Não adiantava pegar uma mensagem do quadro e transferi-la para um computador sem preparar professores e diretores, mas foi exatamente o que aconteceu em alguns lugares.

Além disso, quando pensamos nos objetivos da educação pública, fica ainda mais claro no quanto as tecnologias podem ajudar. Segundo a nossa Lei de Diretrizes e Bases, a educação pública deve desenvolver crianças e jovens por completo, formar cidadãos e preparar futuros profissionais. As novas tecnologias democratizam o acesso à informação, o que facilita o desenvolvimento integral do aluno. As últimias eleições para presidentes nos EUA e no Irã demonstraram como as tecnologias podem fortalecer o exercício da cidadania. Atualmente, quase todas as profissões já fazem uso de computadores e robôs. O mundo já é outro. As escolas já têm de lidar com nativos digitais. Como, então, pensar em uma escola pública que não entenda o ensino da utilização das novas tecnologias como algo importante?

4) Sobre parcerias com o estado

Além de pessoalmente acreditar muito no poder das parcerias, gosto muito da secretária e sou fã incondicional da Teca Pontual. Temos conversado muito e é bem possível que o Educopédia englobe o Ensino Médio no futuro. Também conversamos muito sobre várias outras possibilidades de parceria…

5) Sobre o trabalho na SME

Eu estou muito feliz na SME. A Secretária Cláudia Costin é uma pessoa incrível, super inteligente, dedicada e sensível. Tenho aprendido muito e me esforçado muuuito para ajudar a melhorar a educação pública da cidade. Como subsecretário de projetos estratégicos, também cuido dos programas: Escolas do Amanhã, Universidade do Educador Carioca, Rio Criança Global e Cidade Educadora. Nasci e cresci em Brasília, mas sou apaixonado pelo Rio e estou vivendo a melhor fase da minha vida. Quero fica aqui para o resto da minha vida.

Queridos amigos e leitores, são pessoas assim que semeiam a terra para que mais tarde outros colham os frutos

Abraços

Equipe NTE Itaperuna